É a especialidade odontológica que objetiva a reabilitação de áreas edêntulas (sem dentes), por meio de próteses retidas ou suportadas por implantes dentais osseointegrados.

Osseointegração é o processo de união do implante ao osso. O implante deve permanecer fixo e sem mobilidade e manter-se sem sintomas quando submetido ás forças mastigatórias funcionais.

O implante tem formato semelhante a um parafuso e é confeccionado em titânio com alto grau de pureza, a fim de se tornar uma “raiz dentária artificial” que vai substituir a raiz dentária natural perdida. Existem implantes de vários tipos e diferentes marcas, cujo objetivo é se adequar aos diversos tipos de ossos e também à localização onde ele será instalado.

Sobre essa “raiz” será confeccionada uma prótese unitária (quando apenas um dente foi perdido), próteses parciais (quando mais de um dente é perdido) ou próteses totais (quando todos os dentes da maxila ou mandíbula são perdidos). Esse procedimento visa a devolução da função mastigatória, fonética e também da estética do sorriso.

Os implantes dentais apresentam algumas vantagens em comparação ás próteses tradicionais. Dentre elas: os dentes vizinhos á área desdentada permanecem intactos (não há necessidade de desgastá-los para melhor retenção da prótese); fácil higienização, em especial nas próteses unitárias; resultados estéticos e funcionais excelentes; muitas vezes podem ser instalados logo após a extração dentária; previnem a perda óssea que acontece quando dentes são perdidos.

Após análise clínica, radiográfica e tomográfica, o implantodontista consegue oferecer as opções de tratamento mais viáveis para o paciente baseando-se no espaço disponível para o implante, altura, largura e densidade óssea, idade do paciente, número de  dentes perdidos, etc.

O procedimento de instalação do implante é realizado com anestesia local e muitas vezes pode ser feito no mesmo dia da extração dentária, dependendo do caso. Em situações específicas, é possível iniciar o processo de confecção da prótese no mesmo dia ou ate 48h após o dia em que o implante foi instalado, esse procedimento é conhecido como carga imediata. Em outros casos, é necessário esperar cerca de 3 a 6 meses para que o implante esteja totalmente estável e a prótese possa ser confeccionada.

É importante que o paciente saiba que mesmo após o término do tratamento, manutenções preventivas periódicas devem ser feitas, a fim de garantir que o implante se mantenha em perfeito estado.

Curta no Facebook

Últimas Notícias